As novas regras para as indemnizações por despedimento

Acabei de ler um artigo interessante no Jornal Económico, onde são enumeradas as novas regras para o cálculo das indemnizações para o despedimento.

As regras a aplicar não tem efeitos retroactivos ou seja só serão aplicadas a novos contractos, a regra que mais me chamou a atenção e que creio que será a que tem mais impacto é a que diminui a retribuição de cada ano de trabalho que até agora era um mês completo por ano e agora passou para 20 dias de remuneração por cada ano de trabalho até um limite de 12 meses ou 240 salários mínimos, isto significa que após 12 anos de trabalho na mesma empresa  se atinge o limite máximo da indemnização em caso de despedimento.

No artigo que referi do Económico estão outras regras explicadas ao pormenor, resta-nos esperar que se fiquem por aqui, estes cortes aliados à incidência dos impostos particularmente do corte no 13º mês e no aumento generalizado nos produtos que consumimos no dia a dia e também o aumento dos juros dos empréstimos,  dificultam cada vez mais a subsistência mesmo a quem aufere salários mais altos.

Artigo Original: Saiba o que vai mudar nas indemnizações por despedimento

IRS 2010 Novas Taxas

Integrado nas novas leis para combater a crise chegou um aumento nas taxas de IRS, embora eu não acredite que este seja o caminho certo temos que nos conformar com os políticos que elegemos para nos representar no parlamento.

Enquanto pesquisava na internet mais informações sobre este assunto encontrei um artigo interessante publicado no Jornal de Noticias que explica quem é que é abrangido pelas novas regras do IRS, se quiserem ler o artigo basta clicar aqui.

O novo regime entrará em vigor já em Junho, ou seja em Junho já iremos receber menos, a única boa noticia no meio disto tudo é que a lei não tem efeitos retroactivos.

As mesmas pessoas que prometeram não aumentar os impostos, prometeram agora que este aumento é apenas temporário, à primeira qualquer um cai à segunda só acredita quem quer…

No entanto há países com com a desculpa da crise estão a tomar medidas mais radicais. Não nos podemos esquecer é que em Portugal não são só os impostos que sobem, há outros custos a serem criados, por exemplo as portagens nas SCUTS alguém que tenha que fazer alguns quilómetros por dia numa qualquer SCUT irá ter que optar por gastar mais combustível, perder mais tempo na estrada e desgastar mais o carro OU pagar portagens… de qualquer uma das formas quem é prejudicado é o contribuinte.

E como cereja em cima do bolo hoje no Telejornal mostrou uma serie de senhores das grandes empresas Portuguesas a fazer uma visita a Nova Iorque, com certeza que alem deles viajou uma “ceita” de parasitas, isto para mostrar aos contribuintes para onde vai o dinheiros das medidas extra ordinárias de combate à crise.